Fevereiro Vermelho: O que tu prefere?

Voltamos para o resumo mensal do puro suco de coloradagem grenalzítica!

Tivemos 4 jogos pela PRÉ-LIBERTADORES (nunca vão conseguir mudar esse nome, aceitem que dói menos, como dizia Roger Machado), 3 pelo Gauchão PERGUNTA LÁ NO POSTO IPIRANGA e 1 Grenal, que não se qualifica como jogo e sim como aquele momento em que qualquer lateral pro adversário parece o fim e que a cada contra-ataque teu coração parece aquela ressaca de cerveja ruim e palpitação.

Nos classificamos para a fase de grupos de La Copa sem sofrer gols, ganhamos uma e empatamos duas no Gauchão e perdemos o Grenal em casa. Tu trocarias a classificação pela vitória no clássico? Eu também não, mas sempre é bom perguntar, vai saber…

MAS TU VIU O JOGO, PAI?

No total foram 8 jogos, 3 vitórias, 4 empates e 1 derrota, com 6 gols feitos e 2 sofridos. A pergunta que resumiu o mês foi O QUE VAMOS FAZER COM O MUSTO?, muito em função da expulsão no clássico e da dificuldade do time se adaptar ao esquema com um volante/líbero, saída de bola pelos zagueiros e a falta de função em campo de Rodrigo Lindoso. Na verdade o Grenal é sempre bom e ruim: sem ele talvez demoraríamos mais para cambiar o esquema de jogo, mas com ele ficamos com alguns traumas para o andamento das competições. E em março serão mais 2 clássicos!!!

Todos os jogos do mês foram vistos com o filho de 5 meses e meio no colo, com variações táticas para atirado no chão, se arrastando pelo tapete ou enticando com o cachorro. Exceções feitas ao primeiro contra La U que por motivos de horário foi visto em outro “estádio” e com desfalque do piá e de Inter e Nóia que só deu pra ver o finalzinho.

Destaques para os xingamentos  no Grenal que fizeram o guri abrir o berreiro e dos últimos minutos contra o Tolima, com um a menos, que tive que ver em completo silêncio com ele no colo porque tava apagado… Complicado!

PLAYER OF THE MONTH® ou CRAQUE PILHAS PANASONIC de Janeiro

Num mês de menor efetividade ofensiva, um dos principais AVALISTAS da classificação colorada foi Marcelo Lomba. Muito seguro fora de casa e concentrado no Beira-Rio, segue na crescente que começou em 2019. E ainda evitou o pior no Grenal…

TEVE ISSO?

Além da Questão Musto e do jejum do Guerrero (que terminou contra o Tolima e na primeira partida de março foi mandado pro espaço), a expulsão do D’Ale no jogo decisivo da pré-Libertadores poderia ter jogado o mês – e o planejamento do ano – por água abaixo. É aquela coisa: ter um craque temperamental é ótimo, mas pode ser horrível. Ainda é (muito) melhor com ele do que sem, mas é preciso estar atento.

BALDASSÔMETRO

About the author

Felipe

Felipe da Costa Conti, 34, Jornalista, Colorado.
Queria ser o Taffarel mas não serve nem pra Maizena.

2 Comments

Click here to post a comment

Recordar é viver

Categorias