#FORAROTH

O momento é bom para escrever sobre a volta do IMORTAL Celso Juarez Roth. O Grêmio ainda não perdeu com ele este ano, e a torcida parece enxergar nele um grande treinador.

Pensamento mágico é achar que Roth, porque ganhou uma Libertadores no ano passado, agora é um técnico que levantará títulos atrás de títulos. Mais ilusório ainda é pensar que este ano ganharemos o Brasileirão. E, pior ainda, é imaginar que 2012 será de glórias.

Não com Roth.

Agora, se tu te contentas em não ser rebaixado imortalmente ou CONQUISTAR uma vaga na Libertadores épicamente, pare de ler aqui. Pra mim, não serve.


Seremos sétimo no CAIPISSAQUESÃO 2011 e ele permanecerá. Seguirá sustentado pelo discurso infame de que “devolveu a cara do Grêmio ao Grêmio, da imortalidade, de que para o Grêmio tudo é difícil” e todas estas outras frases prontas de discursos populistas do TEU presidente PaudoOdone.

Não posso concordar com Roth na casamata. E só me renderei se ele trouxer (montado em um cavalo mouro, de bombacha, alpargata e PALHEIRO pendurado no canto da boca sob um bigode CREEPY CRAWLER) a taça do Mundial.

E como eu sou brasileiro e não tenho memória nunca, recorro ao Grenalzitos’ Archive (tamo muito IMPEDIMENTO, precisamos parar de plagiar) pra te fazer lembrar que Roth NÃO SERVE.

15 de abril de 2009

O que o Grêmio (diretoria, jogadores, eterno-ex-técnico) mais fez nestes primeiros três meses foi falar em planejamento.

E bota planejar mal nisso! Devia ter pensado muito mais na hora de renovar com Roth. Devia ter planejado que com ele a coisa poderia degringolar a qualquer momento e não devia ter renovado. Agora, o planejamento já era, o Grêmio está sem técnico, sem preparador, sem planejamento. Espera por um treinador (que é muito bom), mas isso tudo em meio a Continental. Se fosse em dezembro, tudo bem. Agora, em 15 de abril, rodada da Libertadores comendo, tudo mal.

23 de julho de 2009

Em abril de 2008, logo após a eliminação do Grêmio para o Juventude no Gauchão e para o Atlético Goianiense (!!!) na Copa do Brasil, eu fui a Ressacada, o estádio do Avaí, pela primeira vez.

Era um amistoso e Seu Celso (Deusolivre) já estava na corda bamba.

Naquela tarde chuvosa, eu, meu tio Edinho (aquele mesmo) e o Luciano, um cara gente fina que pesa mais de 100kg, nos grudamos na porta do vestiário gremista e gritamos até o sininho da goela estribuchar.

Já dávamos a ordem pela saída do Seu Celso (faz o sinal da cruz aí vivente!).

Ali, naquele dia, ele começou a cair. Tenho certeza.

22 de abril de 2009

A demissão (de Mancini, mas podia ser Julinho) veio tão rápida quanto a notícia de que Roth seria o substituto. E desde então a discussão em torno do comandante da equipe só aumentou.

Enfim, depois de um ano à frente da casamata gremista, Roth foi mandado embora, depois de duas crises e de mais um “quase” histórico em seu currículo de falta de títulos.

Daí, seria fácil para a diretoria acabar com a discussão. Anunciasse Renato Gaúcho depois do GRE-NAL que culminou na queda de Roth e todos os gremistas dormiriam com sorriso e orelha-a-orelha.

14 de julho de 2010 (postado por Felipe, o colorado – pra vocês verem que o homem, além de tudo, é muito mais simpático com os BERMEIO)

Das quatro maiores alegrias coloradas nos anos 90, 50% das mesmas estão diretamente ligadas a Celso Juarez Roth, o amigo do Mau. A saber (indo da mais para a menos importante): título da Copa do Brasil de 92; título Gaúcho de 97; GRENAL dos 5 a 2, também em 97; e o primeiro rebaixamento do Grêmio no Brasileirão, em 91.

Até o Pedro Ayub ele conseguiu estragar http://grenalzito.blogspot.com/2011/01/o-caca-craques.html

E vale uma passada nesse link abaixo também:

6 de abril de 2009

http://grenalzito.blogspot.com/2009/04/o-treinador-do-gremio.html

About the author

Grenalzito Corp

76 Comments

Click here to post a comment

Recordar é viver

Categorias